segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Dare to be lonely

Agora não.
Agora quero estar sozinho.

Agora quero mostrar a mim que sou capaz.
Este é o momento em que preciso dizer - Este é o meu caminho.

Não é uma partida nem uma chegada.
É um respirar, 
Um assumir, 
Um Estar.


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

És trutura

Não advogo a solidão,
Não defendo o isolamento.

Mas em boa verdade te digo:
Se queres ver a estrutura de um Homem, deixa-o por momentos a sós.



quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Nascimento

Abro os olhos e reconheço onde estou.
À medida que o sépia ganha cor, reconheço que estás aqui, comigo.
No mesmo sítio de onde me lançaste.

Ao ver-te a ti e aos outros percebo que voltei.
Percebo que fui.
E porque voltei.

Está quente e é um misto de emoções.
Nascer é sempre uma alegria e um receio sobre o que há para fazer.

O teu sorriso acalenta-me o espírito.
As tuas palavras sinalizam-me um caminho.

Agora vemo-nos por aí "guerreiro Tolteca"


quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Sorriso no rosto

Passaste por mim de sorriso no rosto.
Alheada de tudo e de todos, 
Lá ias caminhando, mergulhada nos teus pensamentos.
O teu rosto não disfarçava a felicidade que te enchia o coração.

Como é bom ver-te assim feliz.
Numa época em que as nuvens do Outono tendem a quebrar o nosso optimismo, dá-me esperança ver-te assim.

Fico feliz por ti, pelo teu sorriso,
E fico feliz também por mim, porque sou capaz de presenciá-lo, de reconhecê-lo.

Prova de que ele também faz parte de mim.


quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Silêncio de ouro

Diz-se que o Silêncio afasta,
Que cria vales sem eco.
Que congela,
E que para todo o sempre é o prenúncio do Fado.

Mas o Silêncio também pode aproximar.
Fundir e voltar a criar.

Em momentos em que as palavras não chegam para cumprir o seu propósito,
Em que o que há para dizer não tem forma de ser dito,
São os Silêncios que têm a capacidade de aproximar olhares, estados de alma e destinos.

Os Silêncios de curta distância são os que têm a incrível capacidade de desintegrar máscaras,
De quebrar barreiras,
E de forma subtil e simultaneamente indomável,
Trazer ao de cima o que de melhor podemos fazer de nós próprios.



terça-feira, 11 de outubro de 2016

Inspiração

Que bom estares de volta.
Que bom estares de novo comigo.

Sabia que teria que fazer algo para te voltar a merecer.
Sabia que precisava não Ser,  para voltar a Ser.

Agora estou de novo acordado.
Agora, a noite terminou.

Não tenho medo de voltar a adormecer.
Sei que faz parte, que terá sempre que acontecer.

Mas desta vez acordei na esperança de conseguir tornar a noite mais curta, mais minha.
Na esperança de para sempre no Verão morar, onde a noite é breve e o dia uma Vida.

Bem vinda de volta cara amiga,
Bem vinda.
Para clarear a minha visão e aquecer o meu coração.


quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Yi

Yi é vontade
Yi é criação

Tal como a moldar o barro
Yi converte a energia que Te envolve e da qual és feito, naquilo que decides ser.

Yi é mistério que se materializa em vida e que Te mostra o que existe entre o passado e futuro.

Yi é levantar de manhã
Yi é agir
Yi é intenção.

Yi é a forma como olhas o mundo
Yi és tu.

Yi (http://taoism.about.com/od/thefiveelements/a/fiveshen.htm)


sexta-feira, 2 de setembro de 2016

O bom Pescador

Não haverá satisfação Maior para o pescador do que constatar que ao ensinando a pescar, o pequeno petiz mostra-lhe que o segredo não está no peixe, nem no llocal, nem na cana de pesca.

O segredo está em ser bom Pescador.


segunda-feira, 27 de junho de 2016

Brincando com o fogo

O fogo sagrado pulsa no centro da floresta,
Quente e forte, crepita como um vulcão.
Irrompes por entre árvores e aterras na clareira,
Sacudindo das asas as frieiras do Inverno passado.

Aqueces agora as mãos,
Porque a sede é grande e a caminhada dura.
É de calor que agora necessitas,
para refrescar o teu espírito.

Assim são feitas as relações,
De pequenos pedaços de loucura.
De queimaduras e de uniões de alma.
De cicatrizes que saram as dores que viemos curar.

Integrar,
Não deixar arrefecer,
Saber guardar o calor no peito,
E caminhar até ao próximo reencontro.


terça-feira, 24 de maio de 2016

Homem-Lanterna


Seres Humanos nascidos bombeiros, com a missão de apagar a escuridão.


quinta-feira, 14 de abril de 2016

Bipolaridade

Só com muito altruísmo, ou então com muito egoísmo, 
se consegue aceitar que algo, embora não sendo igual, possa à mesma ser justo.


sexta-feira, 1 de abril de 2016

Escrever torto por linhas direitas

As melhores coisas da vida acontecem quase sempre sem serem devidamente planeadas.

Não estou a fazer a apologia do não planeamento - Estou a reconhecer que por vezes tenho a sensação que um Plano Maior existe, onde aparentemente não tenho influência.

O Plano-Mestre a desvendar apenas na última casa.
Na altura de dizer: “Claro, afinal era simples!”

Sei que não tenho idade para dar lições.
Só sei que a pouca experiência que me foi dada até agora ensinou-me a Confiar e a saber que perseguindo o que é certo, vou invariavelmente parar ao trilho mais apropriado.


terça-feira, 1 de março de 2016

Vôo largo

Existirão os que não te irão entender,
os que não quererão entender,
e os que não poderão entender.

Mas nunca serão estes,
os que te vão prender.

As asas só merecem ser fechadas se for no vôo de um abraço.


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Cruise control

12 anos - Corrida de atletismo:
Tudo ia muito bem até chegarmos à malfadada encosta. 
Todos a receavam.Todos a temiam.

Sem saber como nem porquê, disparo em frente, destacando-me do pelotão.

Na verdade, não tinha acelerado. Mas também não tinha desacelerado. 
Estava distraído nos meus pensamentos e sem me aperceber, mantive o ritmo constante.

Mas os outros, não. A ideia da rampa inclinada já tinha criado neles uma dor onde não existia.
Fruto das expectativas criadas sobre a tal encosta, o pelotão tinha abrandado, entregando-me desta forma a vitória de bandeja.

Para vencer por vezes não é necessário muito - basta ser consistente.
Acertar o Cruise Control e assumir-se azeite no copo de água.


A natureza das coisas

Ao lobo não compete a pele de cordeiro.
De que vale um leão domado,
com uma boca cheia de dentes.

Ao Homem cabe procurar pela sua Natureza e a ela ser fiel.

Os Bons muros não são para derrubar nem para contornar.
São sempre para desfazer.


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Crónica de um reencontro por acontecer

Piadas soltas, comentários inócuos
Futebolices e politiquices.
Almoços cheios de nada,

No teu rosto descobri um pequeno tom de amarelo, fugidio, furtivo.
A educação que te foi dada para criar estrutura, é a mesma que agora abafa o grito que vive debaixo dessa máscara.
Inadvertidamente deixaste escapar dos teus olhos um pequenino pedaço da solidão,
Uma lágrima do desencontro que existe entre ti e a tua essência,

Não tem que ser assim.
Nao deve ser assim.

Gostava de saber em que dia te disseram que não eras mais criança.
Que tinhas que seguir o trilho normal.

Gostava de poder voltar a esse instante e retirar-te essa nuvem do caminho.
E todas as outras que se acumulam à tua volta na tentativa frustada de apagar o Sol brilhante que emana na tua alma.
 
O tempo é demasiado precioso para ser perdido desta forma.
E sei que o dia chegará em que isto acabará.

Nos mesmos olhos inundados de solidão vive a faísca da juventude adormecida.
A juventude que não se cinge pelas leis do tempo.
Aquela que na primeira oportunidade florescerá em todo o seu esplendor, de acordo com a natureza que lhe é inata.

Poderá ser hoje ou poderá ser momentos antes de abandonares este corpo, 
mas nunca será em vão.
Porque o tempo é apenas uma construção humana, e o teu Sol não nasceu neste Mundo.

diz o poeta,
A vida é um momento.
Esse momento será sempre breve.



Escuta ativa

"Porque é que os cães percebem o que dizemos e nós não entendemos nada do que eles dizem?" perguntou-me a pequenina.

Fiquei a pensar..

Porque sempre que impomos a nossa razão, 
perdemos o sentido da audição.


segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Nostalgia do tempo presente

Olho para o teu sorriso de criança e sinto em mim a “Nostalgia do Agora”.
A Saudade que será vivida no Futuro, mas que por ser tão Grande, consegue já ser sentida Agora, enquanto ainda somos Presente.

É como se de repente um outro Eu nascesse em mim, por detrás do meu próprio olhar.
E em paralelo, à medida que brinco contigo, ele contempla, com a nostalgia de recordar no futuro, este preciso instante.
Um outro Eu, que quer lembrar-se de todos os detalhes e que por isso inunda o meu pensamento atual e distrai, enquanto eu olho para ti.

É duro saber que recordar nunca será viver.
E por ter plena consciência desta tamanha injustiça, caio na tentação de deixar crescer em mim a ânsia tremenda de, por um lado, querer aproveitar cada momento e por outro, querer fotografar cada olhar, cada sorriso, para guardá-los bem fundo no meu coração.

Mas a frustração é grande.

Sei que Depois nunca será o Agora.
Sei que, ou sou fotógrafo, ou faço parte da fotografia.
Sei que quando quiser relembrar, restarão apenas alguns pedaços soltos.

Por isso,
Curvo-me perante a crueldade do Tempo que esmaga ao ensinar que já não posso ter depois, o que é para ter Agora.
O Tempo, esse professor impiedoso, ensina-me que tudo existe uma única vez e é por isso que é tudo tão precioso.

Cabe-me, como bom aluno,  tentar aproveitar,
para não vir a sofrer de Alzheirmer,
sem de Alzheirmer padecer..

..Inspirado no livro “Thinking Fast and Slow” de Daniel Kahneman, onde aborda os dois Eus: o “Experiencing self” e o “Remembering self”.


terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Vontade

Não basta pedir ajuda.
É preciso querer.


segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Conexão

Tal como quando observo um estereograma,

É assim que me sinto quando estás por perto.


Quase que vejo, mas não vejo.

Quase que estou, mas não estou.


Uma sensação de trapezista sobre corda bamba.


Num ligar quase desligado.

Num desligado, afinal vivo.


Corro para apagar o som e baixar as luzes.

Porque é isto que eu tenho que estudar.


Vou aprendendo aos poucos a ignorar interferências 

e a tomar atenção aos pequenos sinais subtis que me deixas no canto do olho.


De tempos a tempos, lá estás tu.

Como que a desafiar.

Como que a arrepiar.

Tu que afinal sou Eu, do outro lado.

Do suposto inconsciente.


Posso ignorar ou posso ouvir.

Se ignorar, vou arrepender-me de nunca ter ouvido.

Se ouvir, vou arrepender não ter ignorado.


Não são vozes do além.

São vozes de dentro, da intuição.


Do que sabemos, sem saber saber.

São as palavras que trazem-nos conforto e alegria.

e que preenchem a nossa alma com a luz do Sol que ilumina a nossa Montanha.



quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Guardanapos usados

Tal como é costume sempre que se encontra alguém de outra nacionalidade, a conversa foi parar às palavras e às formas como as coisas se dizem.


Descobri uma em particular, que dita em Brasileiro é muito má, e que em Portugal não significa rigorosamente nada.

A questão já se me tinha levantado anteriormente quando vim a saber que entre países escandinavos existem palavras que embora sendo iguais, significam coisas completamente distintas, e por isso é preciso ter muito cuidado.


Neste caso particular, a minha atenção prendeu-se com o facto de haver um som, um conjunto de vocalizações ou sopros, letras ou sílabas que a mim não dizem rigorosamente nada e a outra pessoa dizem muita coisa – neste caso, coisas más.


Senti-me como uma criança que descobre a sua primeira asneira.


A sua primeira pedra para arremessar. 

Para fazer doer,

sem ter que bater.


Num primeiro instante a reação é a de incompreensão e estranheza.

Mas a verdade é que nessa palavra estão carregados sentimentos e experiências, impressos por toda uma cultura, por toda uma multidão que nela canalizaram a sua vivência.

Um verdadeiro balde de lixo para onde se deitam os restos.


Sou da opinião que nunca se deve atirar lixo às pessoas.

Canas de pesca talvez, mas nunca lixo.


Há sempre aqueles que dizem que ao utilizá-las não é verdade lixo, mas sim algo reciclado, diferente.

Que não é por mal, 

E que afinal é só uma forma de dizer.


Não deixa de ser lixo e sendo lixo, cheira sempre mal.


Limpar a boca a um guardanapo usado saberá sempre a isso,

A Guardanapo usado.

A amargo de boca.


Lava os dentes e verás como não necessitas de guardanapos usados.

O cheiro da pasta dos dentes faz-se sempre respeitar.






Acende a fogueira

Olha para dentro.

Encontra o veio principal.

A raíz, a coluna vertebral.


Respira.


Como um fervilhar crescente,

O arrepio percorre-te o corpo.


Tal como a música que mexe contigo, sentes-te pronto a correr.

É o fervor a subir de tom.

A adrenalina de um novo começo, uma nova esperança.


Tu sabes,

Como ativar.

Como catapultar o ânimo,

Como motivar.

Arrancar.


É a altura de sair das boxes e disparar, de volta à estrada.

F1 a derrapar no arranque,

1ª, 2ª, 3ª, 4ª a fundo.


A rasgar alcatrão.


Tudo passa a relativo,

Tudo o que importa é o que está ali mesmo à tua frente.


Ao teu alcance.



segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Testes

Grande parte do sucesso em ultrapassar um desafio é saber que ele existe.

De olhar brincalhão,  ele pergunta-te por entre o nevoeiro:

Então? Como é que vai ser desta vez?


Olhos e ouvidos bem atentos para ver com clareza,

respiração forte pra afastar as nuvens,

e raízes profundas para proteger dos ventos fortes.


Consciente do que defrontas,

És agora capaz de concentrar as forças naquilo que quiseres ultrapassar e acima de tudo de definir a forma como queres deixar esse desafio para trás das costas.



quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Transparências

De que vale estar inconscientemente acompanhado?
O que se atinge com relações fugazes (ou permanentes), plenas de um cinzento de conteúdos?

Pedaços de vidas desperdiçadas por quem insiste desapegar-se de etapas, de missões ou objetivos - imersas num eterno adormecer vegetativo. 
Por inércia, por medo ou por incapacidade de dizer que não.

O cultivo do retiro ajuda-nos a compreender a importância da compaixão e do amor fraterno.
Ao invés de apresentar-se como um ato de solidão prolongada, o retiro (ou a reflexão) pode ser simplesmente um estado de espírito momentâneo, acima de tudo, atento.

A reflexão ajuda-nos a perceber a importância de dar espaço e de praticar a escuta activa.
Ensina-nos a olhar para cada troca de experiências como um ato renovado de esperança, assente na certeza de que em cada relação existe sempre uma semente, pronta a despontar e a dar frutos.

O trabalho de casa nunca deve ser descurado.
Não devemos deixar acumular etapas, nem perder as oportunidades que se cruzam no nosso caminho.
Devemos sempre lutar para não ficarmos surdos nem cairmos na tal vida anestesiada.

A solução está sempre no Escutar, 
...mesmo quando aparentemente sozinhos.

A Vida dá-nos aquilo que decidimos precisar.


quinta-feira, 15 de outubro de 2015

O tigre que há no Eu

O tigre na jaula não é Tigre.
Não cumpre a sua Natureza, 
Não cumpre o seu propósito.

O teu Tigre, quer-se Livre.
Com propósito.
E acima de tudo, simples.

Mais vale morrer lutando por viver.
Do que viver, lutando por morrer.